Dizem que a primeira impressão é a que fica. Explorar essa máxima no design de embalagem pode ser uma sábia decisão. Os mais variados segmentos têm recorrido a esse recurso para prender a atenção do consumidor já no primeiro contato, antes mesmo que o produto seja conhecido.

Destacar uma marca no mercado tem sido cada dia mais desafiador. A competitividade exige muito jogo de cintura e um repertório infinito de criatividade.

Hoje sabemos que o poder da embalagem vai além da proteção e informação técnica, passando de um simples pacote para objeto de desejo de grande parte do público consumidor. Nesse estágio de apreciação de um produto, esse envoltório tão menosprezado em outros tempos, agora está fazendo toda a diferença na decisão de compra.

Ao longo desse post, falaremos detalhadamente sobre o que considerar para criar uma embalagem que fique com a cara da sua marca. Vamos lá!

Qual a importância do design de embalagens?

Entre as funções da embalagem, sabemos que as mais relevantes reúnem requisitos como praticidade, proteção, informação, identificação, transporte, segurança, conforto e conveniência.

Porém, seu papel não se limita às funções básicas. A importância também se traduz nas cores, formas, imagens, dimensões e em tudo que dialoga com o consumidor. Essa comunicação precisa transmitir os benefícios prometidos pelo conteúdo, os valores que a marca defende e estar de acordo com o público a que se destina.

Vale lembrar que tudo deve ser absorvido de forma rápida e direta, em questão de segundos. Pesquisas concluíram que 81% das decisões de compra ocorrem nos pontos de venda, portanto, a responsabilidade do design de embalagem é imensa.

A embalagem como ferramenta de marketing

O planejamento de marketing de um produto deve considerar a embalagem não apenas como instrumento para realizar vendas, mas também como dispositivo para fidelização dos clientes.

O contato com a embalagem é a primeira conexão formada entre o público, o produto e a marca. Por isso, essa comunicação externa deve ser perfeitamente alinhada ao conteúdo para chamar atenção e convencer o consumidor a realizar a compra.

Nos locais de venda, a embalagem é a propaganda e será responsável pela defesa do produto. Isso acontece no meio de diversas outras marcas que estão disputando o mesmo espaço e se valendo dos mesmos artifícios que a sua.

Assim, se um produto é bom, o design de embalagem deve ser igualmente de qualidade, a fim de levar a credibilidade necessária à marca e garantir visibilidade no mercado.

O valor agregado do design

Um bom conjunto de características só pode ser adequadamente apresentado com um design adequado. É nesse sentido que o design de embalagem incorpora valor, devendo ser desenvolvido com a máxima eficiência e profissionalismo por quem entende dessa arte.

Uma pesquisa realizada pela CNI (Confederação Nacional da Indústria) demonstrou que, entre produtos semelhantes, o consumidor sempre dá preferência ao que apresenta a embalagem mais atrativa e prática.

Esse mesmo consumidor se dispõe a experimentar uma nova marca se a embalagem tiver um poder de convencimento maior que a outra já conhecida. Essas questões estão diretamente relacionadas à valorização da autoestima do público, dialogando diretamente com o seu lado emocional.

Por tudo isso, o design agrega imenso valor ao produto. Na realidade, ele faz toda a diferença, já que ao ser projetado por profissional qualificado, será pensado de maneira a atender às necessidades e expectativas do consumidor daquele tipo de produto. Esse conjunto de atributos tem o poder de definir o posicionamento de uma marca no mercado e impulsionar as vendas.

A embalagem como fator de sustentabilidade

Atualmente, a preocupação com o meio ambiente é um requisito essencial nos projetos de design de embalagem. As dimensões e materiais escolhidos para a fabricação devem levar uma série de fatores em consideração: economia de matéria prima, descarte e reciclagem, por exemplo.

O impacto ambiental é bem menor quando existe uma preocupação com a reutilização das embalagens, mesmo as que são produzidas com matéria prima já reciclada.

Esses cuidados, além de contribuírem com a preservação do meio ambiente, valorizam imensamente a imagem da marca, garantindo um destaque especial no mercado.

Como refletir valores da marca com o design?

Para garantir um posicionamento único da marca no mercado, é preciso que exista uma identificação forte do consumidor com seu produto. Isso certamente deve ser acrescentado à embalagem, refletindo os valores que importam para sua organização e mantendo-os como um guia comportamental no cotidiano da empresa e seus colaboradores.

Uma vez alinhados à visão e missão da empresa, os valores precisam ser absorvidos para que possam ser compartilhados. Dessa forma, se cria comprometimento e aumento de confiança entre todos os envolvidos.

Esse conjunto de características deve estar estampado na apresentação dos seus produtos. Considerando que a embalagem é o contato inicial do consumidor com sua marca, ela precisa representar sua filosofia.

Se esses valores compreendem inovação, sustentabilidade, honestidade, qualidade e transparência, essas mensagens deverão necessariamente ser transmitidas pelas embalagens, levando ao público um embrulho com materiais reaproveitáveis ou de fácil absorção pelo meio ambiente, informações claras e objetivas, além de um produto de alta qualidade.

Lembre-se que essa relação dos valores da marca com seu produto/embalagem alcançará maior sucesso quanto mais forte resultar a ligação emocional estabelecida com o cliente. Esse envolvimento é que cria um diferencial.

Algumas marcas consagradas já criaram um poderoso laço emocional com seu público. A Coca-Cola, por exemplo, mantém um design de comunicação tão reconhecido que sempre está lançando edições especiais com a finalidade de posicionar ainda mais a marca.

A Y Water mantém seu design de embalagem direcionado ao público infantil. Após o consumo do conteúdo, as crianças podem usar as embalagens como brinquedo, encaixando umas nas outras. 

A Skol aderiu à ideia de conectar pessoas destacando o cenário cultural afro-brasileiro, lançando uma edição especial, em que troca a cor amarela das latinhas por diversas tonalidades de pele – a Skolors. É um bom exemplo de design emocional e conceitual.

A comunicação dos valores da marca no design da embalagem pode ser feita de inúmeras formas. Transmitir a sua mensagem é muito importante e será a ponte para criar uma forte relação emocional com o consumidor e fortalecer sua empresa.

O que considerar antes de definir o design da embalagem?

Como já dissemos antes, a embalagem não é apenas um invólucro, mas parte do produto, na medida em que precisa realizar perfeitamente o seu papel de proteger, informar, transportar e encantar.

Por isso mesmo, deve cumprir uma série de quesitos antes de chegar às prateleiras de qualquer estabelecimento, ou diretamente nas mãos do consumidor. E o que determina se uma embalagem é boa ou não?

Considere o produto que será embalado

Primeiramente, a atenção deve estar voltada ao produto que será embalado. Qual a função prometida por ele, de que material é composto (resistente ou frágil), se é um produto perecível etc. A partir desses detalhes práticos, é possível delimitar os pontos cruciais para ajudar a projetar a embalagem.

Outro ponto importante é conhecer o que está sendo produzido no mercado nacional e internacional. Pesquise sobre as últimas tendências e soluções de design desenvolvidas.

Ouvir o público também é fundamental. Procure entender suas preferências, expectativas e de que forma a embalagem pode se comunicar com ele. Afinal, o seu produto é destinado ao consumidor e ele é o principal interessado.

Respeite a identidade visual da marca

As marcas mais impactantes do mercado sempre estão alinhadas à sua identidade visual. Quando você decide trabalhar os elementos gráficos e visuais na embalagem, está fortalecendo sua imagem, mensagem e personalidade.

Esse cuidado funciona como uma importante ferramenta para fixar a marca na mente e no coração do público e se posicionar com assertividade. A concorrência no mercado está cada dia maior, os produtos são extremamente parecidos e muitos apresentam qualidade semelhante.

Em um cenário como esse, sua marca precisa surpreender e brilhar para o cliente. Sua presença deve ser notada imediatamente — e é por isso que a identidade do negócio é tão importante. É a sua empresa visualmente representada nos pontos de venda, sem equívocos.

Alguns exemplos interessantes ilustram bem essa relação da identidade visual com a embalagem e a marca. Um deles é da designer Milena Wlodarczyk: ela criou um sistema de embalagens para transporte de plantas pautada na sustentabilidade e estabilidade do material para manter o produto intacto. Tudo foi pensado levando em conta a segurança do produto, bem como suas características essenciais, alinhados à identidade da marca.

Outro case encantador, muito bem direcionado ao público-alvo é o Dino Ice, projetado por Sasha B. Perelman e Katya Mushkina. As designers criaram um conceito sobre dinossauros — criaturas que povoam o imaginário da maioria das crianças.

Seu design lúdico e divertido não representa apenas uma embalagem, mas uma experiência, já que ao consumir o picolé a criança encontra no palito um dos três dinossauros escolhidos para compor todo o conjunto. É o tipo de produto que se integra à embalagem e incentiva o consumo pela sua inventividade, assim como instiga a propaganda involuntária — uma criança recomenda à outra. 

Os cases citados são ótimas demonstrações de preocupação com os detalhes. Se bem trabalhados em todas as etapas, o seu lugar na preferência do público estará sempre garantido.

Considere o local de compra do seu produto

Levar em conta o local de compra é uma medida fundamental. É imprescindível considerar se o produto será vendido em ambiente físico ou digital e se os consumidores poderão tocar, ver os detalhes antes de comprar.

Essas são algumas possibilidades para se pensar e ajudar a resolver problemas de logística. Até mesmo para as embalagens inovadoras e altamente criativas, como os exemplos já citados anteriormente.

Se o seu produto é oferecido online, há uma preocupação maior com a resistência da embalagem para evitar danos. Se o ponto de venda estiver em lojas, o destaque em relação às marcas concorrentes é inevitável. Nesse caso, a preocupação com a criatividade estética é um fator crucial.

O que é psicologia das cores?

A psicologia das cores constitui um ramo da ciência que estuda a maneira como nosso cérebro identifica e interpreta as incontáveis tonalidades existentes ao nosso redor.

Por meio desses estudos, hoje sabemos que a cor influencia diretamente nossas emoções e sentidos, resultando em reações imediatas a elas. Com base nesse entendimento, foram catalogados diversos significados atribuídos às cores e suas inúmeras variações de tonalidade.

Nas embalagens, o uso das cores certas é muito importante para a relação entre identidade visual e marca. As cores possuem um enorme poder de persuasão no momento da compra, bem como durante a divulgação de um produto, seja de forma positiva ou negativa.

As diferenças na percepção das cores

A interpretação dos variados tons que nos cercam o tempo todo costuma ser subjetiva em muitos casos. Cada pessoa vê cores e formas sob a influência de sua própria bagagem cultural e impressões pessoais. Apesar disso, observa-se uma certa universalidade nessa percepção. Há uma tendência para que as sensações sejam parecidas e, muitas vezes, idênticas.

As pessoas em geral, tendem a ver os tons de vermelho, amarelo e laranja como estimulantes e urgentes. Os tons de azul e lilás, transmitem certa estabilidade e calma.

Por isso, saber usar esses recursos a favor da marca, por meio da embalagem, é determinante no momento da escolha pelo consumidor.

A associação das cores às emoções

A emoção é um ponto vulnerável que pode ser explorado de forma inteligente para conectar-se com o seu público-alvo. O senso comum atribui constantemente significados superficiais às cores ao associá-las a alguma qualidade ou sensação. No entanto, estudiosos verificaram abordagens mais profundas sobre o assunto.

O psicólogo americano Robert Plutchik elaborou uma teoria psicoevolucionária integrativa das emoções. Embora o nome seja intrincado, seu conteúdo é curioso e de fácil compreensão.

Ele considerou a existência de oito tipos de emoções basilares: medo, raiva, nojo, tristeza, curiosidade, aceitação, surpresa e alegria. Compilou todas em uma roda de emoções associando cada sentimento a gradações de tonalidades, da mais suave à mais intensa.

Por exemplo, na cor laranja, as intensidades das emoções variam da seguinte forma: o tom mais claro é associado à sensação de interesse, o médio significa antecipação e o tom mais intenso, vigilância.

Em toda a composição da roda de emoções, há tonalidades enfatizando mais aspectos negativos, enquanto para outras, o lado positivo é mais ressaltado. Tudo organizado com bastante atenção às sutilezas dos sentimentos mais variados.

Esse estudo tem servido como guia para muitos designers para aplicar cores em seus projetos. Além disso, essas descobertas podem ser perfeitamente ajustadas aos propósitos comerciais e conceituais usados nas embalagens para atrair a atenção dos consumidores.

A influência da cor nos pontos de venda

Toda a atenção dispensada ao estudo das cores, aliada à experiência prática no uso desse recurso, tem demonstrado o impacto que essa característica provoca no consumidor, podendo estimular ou desmotivar uma compra.

A influência da cor na composição da embalagem é o fator mais decisivo, por ser o mais evidente. A sua correta aplicação serve como atrativo e promove a melhor eficiência na venda do produto, seja online ou nos PDVs.

Portanto, é fundamental entender que esse elemento não pode ser negligenciado. A escolha errada da cor na embalagem pode determinar o sucesso ou fracasso da aceitação do seu produto no mercado.

Dados extraídos de diversas fontes e reunidos no infográfico How Colors Affect Conversion Rate, da Quicksprout, fornecem uma estatística reveladora a respeito da influência das cores nos pontos de vendas:

  • anúncios coloridos são 26% mais percebidos pelos consumidores que em preto e branco;
  • o reconhecimento de uma marca aumenta em 80% quando o consumidor é motivado pela cor;
  • as mulheres preferem as cores azul, verde e roxo, enquanto os homens são atraídos pelo verde, azul e preto;

A formação da imagem de uma marca e seu posicionamento no mercado dependem de uma combinação bastante complexa de detalhes e questões que exigem maior aprofundamento. Nesse contexto, as cores possuem um caráter especial, uma vez que parecem exercer uma influência óbvia, em parte pela sensação imediata que provocam.

No entanto, a escolha das cores deve ser feita por meio de um estudo cuidadoso. É preciso aliar esse recurso com todos os elementos da identidade visual, os valores da marca e toda sua filosofia. Afinal, cada marca faz diferença para determinado público e esse sim, deve ser conquistado e fidelizado.

Quais os principais tipos de embalagens?

Embora a embalagem é o principal canal de comunicação entre o público e a marca nos pontos de venda, é imprescindível dedicar atenção especial à função de proteção e transporte do produto.

O material ideal para fabricar a embalagem adequada precisa ser pensado ao mesmo tempo em que se planeja todo o conceito. Conhecendo os principais benefícios e características de cada material e formato, torna-se mais fácil fazer a escolha certa. Selecionamos os principais tipos de embalagens e suas indicações de uso para determinados produtos:

Embalagem de madeira

A madeira é um material renovável, exige menor consumo de energia para seu manuseio, é facilmente reciclável e pode ser usada como embalagem nas mais variadas formas.

São muito conhecidas pelo transporte de artigos manufaturados e de matéria-prima. Proporciona segurança aos produtos, principalmente os mais vulneráveis, uma vez que impedem choques diretamente no material armazenado no seu interior. Normalmente são usadas para transportar hortaliças, frutas e legumes.

Além disso, são utilizadas para acondicionar bebidas como vinho, em barris, uma vez que esse material é fundamental para o processo de envelhecimento dessa bebida.

Embalagem de papel ou papelão

No Brasil, essas embalagens são produzidas a partir de florestas 100% cultivadas com certificação internacional, proporcionando um manejo sustentável e, consequentemente, maior aceitação pelo consumidor.

São embalagens leves, recicláveis e bastante versáteis, permitindo o uso em muitas versões e para diversos tipos de produtos, inclusive alimentos, quando adequadamente produzidas para esse fim. Além disso, facilitam a logística uma vez que são fáceis de carregar e armazenar.

Outra grande vantagem desse material são as incríveis possibilidades de uso para realizar uma comunicação eficiente e criativa com o público. É um facilitador para as estratégias de marketing e posicionamento da marca no mercado. Podem ser aplicadas como caixas, sacolas, envelopes e outros formatos.

Embalagem de vidro

É a única embalagem 100% reciclável. As características de sabor, qualidade e pureza dos produtos nela armazenados são mantidas intocadas, pelo fato de não interagirem com o produto.

Alimentos e bebidas refrigerados e aquecidos no vidro não correm riscos de contaminação. Além disso, precisam de menor quantidade de estabilizantes e conservantes para o acondicionamento.

São amplamente usadas na indústria de alimentos, perfumaria e cosméticos em geral. Os produtos podem ser visualizados mais facilmente, o que colabora com a apreciação do conteúdo pelo consumidor.

Podem ser utilizadas com bastante versatilidade e muita criatividade, conferindo um charme especial aos produtos. Por isso, é também um material muito vantajoso para a comunicação visual.

Embalagem de plástico

Nas últimas décadas as embalagens plásticas ganharam enorme popularidade em virtude do baixo custo de produção, da versatilidade, leveza e flexibilidade. São apresentadas em todos os formatos imagináveis, como:

  • caixas;
  • frascos;
  • garrafas;
  • engradados;
  • envelopes;
  • películas;
  • filmes;
  • sacolas e outros.

Sua desvantagem é o contato com alimentos, uma vez que podem alterar o sabor e liberar substâncias tóxicas e prejudiciais à saúde. Além disso, o descarte é indiscriminado, sendo esse um dos mais críticos fatores associados à poluição ambiental.

Embalagem de alumínio

As embalagens de alumínio são ideais para proteger produtos contra a ação da luz, umidade, odores e oxidação. É uma boa alternativa para produtos que não reagem bem aos plásticos.

Suas propriedades térmicas conservam o calor ou resfriamento do conteúdo. Isso estimula o uso do alumínio como embalagem pela indústria farmacêutica, de alimentos e bebidas.

O emprego do alumínio é feito também na forma de folhas usadas na fabricação de embalagens descartáveis e flexíveis; também em chapas na fabricação de produtos em aerossóis, bem como latas para bebidas.

No entanto, a grande desvantagem está em sua produção: é um derivado da bauxita, que causa níveis altos de poluição no processo de extração. Marcas com características sustentáveis devem evitá-lo.

Ao longo desse post, foi possível perceber quantos detalhes são importantes para lançar no mercado um produto que cause impacto no consumidor. A preocupação com a qualidade é um quesito indispensável, mas a apresentação é essencial.

Levar a personalidade da sua marca no design de embalagem, bem como fixar nela seus valores com franqueza e objetividade são atitudes que fazem toda a diferença nos pontos de venda e na memória do consumidor.

Quantas vezes você sentiu-se tentado a levar um produto novo para casa apenas por ter se apaixonado pela embalagem? Deixe seu comentário e compartilhe sua experiência com a gente!