Antes de comprar os seus produtos ou ter uma opinião sobre a loja, as pessoas vão olhar para a sua marca e avaliar a sua estética. Por isso, ter uma boa comunicação visual é um passo importante para qualquer empresa de sucesso.

Para atingir as pessoas adequadas e do jeito certo, é necessário utilizar determinados elementos de comunicação. Sendo assim, conhecer quais são essas unidades é indispensável para entender melhor o que usar.

A seguir, conheça 8 elementos básicos da comunicação visual e veja que tipo de impacto eles causam.

1. O ponto

O ponto é o elemento mais básico da comunicação visual, já que ele não pode ser reduzido a nenhum outro. Ele pode chamar a atenção tanto de maneira isolada quanto em conjunto.

Sozinho, o ponto pode servir para funcionar como uma espécie de alvo para a visão. Para entender melhor, basta imaginar uma grande folha branca com um ponto vermelho em seu centro. Nesse caso, é natural que a visão seja redirecionada para ele.

Vários pontos, por sua vez, dão a sensação de movimento ou integração, já que podem ser conectados. Ao mesmo tempo, se estiverem muito agrupados, dão a sensação de sombra e iluminação.

2. A linha

A linha corresponde ao percurso feito por um ponto. Se ela for reta, é a menor distância que pode ser traçada entre dois pontos distintos. Porém, também pode aparecer em forma sinuosa, quebrada ou curva, garantindo o máximo de versatilidade.

Ela é capaz de mexer com a sensação e com a percepção de formas diferentes. Se você utiliza uma linha horizontal em sua identidade visual, vai trazer a sensação de repouso, então, isso tem que ter a ver com o que você pretende. A linha curva, por sua vez, transmite ação, movimento e alegria, mas, ao mesmo tempo, instabilidade.

3. A forma

Já a forma consiste na união de linhas de maneira orientada para criar uma figura específica. As formas básicas são o quadrado, o triângulo e círculo, do qual todas as outras derivam de algum modo.

A principal função desse elemento é criar algum tipo de identificação em quem vê o recurso visual. O quadrado traz a sensação de honestidade — a expressão “ser quadrado”, por exemplo, significa ser correto demais.

O triângulo, por sua vez, traz a sensação de conflito — como em um triângulo amoroso —, mas também pode ser utilizado para expressar positivamente um conflito de ideias.

Já o círculo não tem começo e nem fim, transmitindo a sensação de ininterrupção e continuidade, o que leva à proteção.

4. A direção

A direção representa, de certa forma, o caminho a ser seguido. A partir das formas básicas, três direções podem ser obtidas: a direção horizontal e vertical, do quadrado; a diagonal, do triângulo e a curva, do círculo.

Enquanto as direções vertical e horizontal estão mais ligadas à estabilidade e retidão, a direção diagonal se relaciona à instabilidade. A direção curva, por sua vez, está ligada a algo cíclico e, por vezes, mais agradável.

5. A cor

A cor é um dos elementos que mais possuem destaque e que são mais lembrados quando se fala em comunicação visual. Ela é capaz de transmitir emoções e, até mesmo, disparar gatilhos mentais, e é usada intensamente para definir a personalidade de uma comunicação, como de uma marca.

As cores primárias são o amarelo, azul e vermelho e, delas, derivam todas as demais. Também há o branco, que é a presença de todas as cores, e o preto, que é ausência de cor. A partir disso, é possível usar a psicologia das cores para identificar qual é o tom mais adequado para a comunicação pretendida, levando-se em conta os demais elementos.

Junto desse fator está também o elemento de tom. Ele diz respeito à comparação de nuances de uma mesma cor, o que permite a identificação do claro e do escuro. Assim, dá para utilizar sombras e efeitos de luz para compor a comunicação.

6. A textura

Dentro da comunicação visual, a textura é um elemento que tem um papel de sinestesia, em que há a tentativa de substituir o tato pela visão. Inclusive, boa parte das texturas não existe de forma tátil, e só podem ser vistas, como uma estampa.

Esse tipo de elemento é capaz de mexer com os sentidos de quem vê. Graças a ela, é possível dar a sensação de realidade a uma comunicação ou então transmitir sentimentos como robustez, delicadeza ou suculência.

7. A proporção

Garantir que os elementos estejam devidamente proporcionais também é uma qualidade da comunicação visual. Em um logotipo, por exemplo, é importante que haja um equilíbrio entre a parte gráfica das formas e a parte escrita, criando a sensação adequada.

Para isso, utiliza-se o elemento de proporção ou escala. Como algo só é grande ou pequeno quando é colocado em comparação com outro, esse tipo de parametrização é feito para identificar a melhor relação de equilíbrio.

A grande vantagem desse elemento é que ele pode ser modificado de maneira bastante versátil. Em geral, a proporção áurea é bastante utilizada, e o ser humano é levado em consideração como medida padrão em outros métodos.

8. O movimento

O movimento é uma força visual que, na verdade, não pode ser representado graficamente já que não é possível garantir que um desenho se mexa por si só, por exemplo. Porém, é possível integrar outros elementos para dar a sensação de movimento a uma comunicação gráfica, incluindo ao criar ilusões de ótica.

O uso desse elemento gera, em primeiro lugar, identificação, já que uma coisa não pode se mover, mas uma pessoa sim. Além disso, serve para dar dinamismo e também para traduzir a ideia do negócio e criar uma identidade.

O seu uso, portanto, pode gerar bons resultados para a marca, especialmente se ela estiver ligada ao movimento de alguma forma, Inclusive, é possível conseguir uma mensagem muito efetiva com uma representação mais simples de movimento.

Os elementos básicos da comunicação visual vão desde um simples ponto a um complexo movimento representado de maneira indireta. Com a seleção adequada de elementos, é possível criar uma comunicação assertiva para a sua marca, atraindo clientes e posicionando a marca no mercado.

O que achou desses elementos? Conte nos comentários se ainda tem alguma dúvida sobre o assunto!