Manter as finanças em dia é um cuidado que todo gestor de pequena empresa deve ter. Ao organizar o setor financeiro é possível saber quando é preciso cortar gastos, em que áreas devem ser realizados investimentos e, ainda, saber se há recursos disponíveis em caso de emergências.

Apesar da importância de ter as finanças sob controle, muitos empresários descuidam da área e cometem erros básicos, como misturar as finanças pessoais com as da empresa, não controlar entradas e saídas de caixa, não planejar e não ter uma reserva.

Confira, no artigo de hoje, os 5 erros de gestão financeira que você não pode cometer!

Misturar as finanças pessoais com as da empresa

Um dos erros que os pequenos empresários mais cometem, principalmente no início do negócio, é não separar as finanças pessoais das da empresa. Resultado: eles usam dinheiro do caixa corporativo para pagar suas próprias despesas ou tiram dinheiro do bolso para arcar com gastos do negócio.

Essa prática, apesar de comum, é um erro e dificulta a profissionalização da empresa, além de comprometer o lucro da companhia. Para não cometer esse deslize, tenha contas separadas: uma para você e outra exclusiva para o negócio. Além disso, estabeleça um valor fixo de pró-labore para você e, se for o caso, para os outros sócios.

Não controlar entradas e saídas de caixa

Ter controle sobre as receitas e despesas da empresa é essencial. Por isso, não ignore o fluxo de caixa do negócio e não deixe de saber quais são as principais fontes de renda da empresa e onde residem seus maiores gastos.

O primeiro passo para evitar esse deslize é saber qual a real situação das finanças da empresa. De onde vêm as principais entradas, quem são os principais clientes e quanto eles pagam, etc. Em seguida, descubra onde estão as maiores despesas.

Além de valores, é importante categorizar esses gastos para saber onde você poderá cortar e/ou fazer investimentos. Além de colocar o caixa em ordem, é preciso fazer um controle rígido do que entra e do que sai. Só assim é possível verificar se suas vendas realmente estão se revertendo em lucro para a empresa.

É importante ter em mente, ainda, que até as pequenas despesas devem ser devidamente registradas. Mesmo os valores que você considera baixos podem fazer a diferença nas contas no final do mês.

Não fazer um planejamento financeiro

Na correria da rotina, muitos gestores de pequenos negócios adotam o hábito de vivenciar um dia de cada vez não só nas operações, mas também no aspecto financeiro. Grande erro.

Ao restringir a gestão financeira ao mês corrente e ignorar a importância de planejar as finanças, o empresário aumenta consideravelmente as chances de ter problemas no futuro. Não corra esse risco: aposte em um planejamento financeiro anual.

Este documento deve conter todas as receitas previstas para os próximos 12 meses e também as despesas, como contas a serem pagas e 13º dos funcionários, por exemplo.

O planejamento anual permite identificar se a empresa terá dinheiro em caixa em períodos em que as despesas são altas — como novembro e dezembro —, e permite que o negócio se prepare para enfrentar imprevistos, como a falta de pagamento de clientes.

Não ter uma reserva para emergências

Imprevistos acontecem a todo tempo. No entanto, muitos pequenos empresários ignoram a importância de preparar-se para gastos que não foram previstos e preferem contar com a sorte.

Assim, quando um problema acontece, como o aumento na inadimplência, uma obra emergencial no prédio da empresa ou uma rescisão considerável de um funcionário, os gestores não têm dinheiro suficiente em caixa para arcar com o compromisso e precisam recorrer a empréstimos e afins.

Não cometa esse erro básico investindo na criação de uma reserva de emergência. Esse fundo deve ter valor equivalente a, pelo menos, três meses de despesas da empresa.

Outro ponto importante: a reserva de emergência deve ser alocada em um investimento que ofereça liquidez, como uma poupança. Você pode precisar do dinheiro a qualquer momento e, dependendo do caso, não poderá esperar nem mesmo um dia para sacar alguma quantia.

Esquecer do capital de giro

Muitos empresários, principalmente iniciantes, se preocupam bastante com o valor do investimento inicial que têm que fazer para abrir um negócio. Apesar desse ser um ponto importante, há outro fator que, muitas vezes, é esquecido e é tão vital quanto: o capital de giro — o dinheiro que vai manter o negócio funcionando no dia a dia.

Evite cair nesse erro estimando a quantia necessária para manter a empresa operando e reserve esse dinheiro para as despesas do negócio. Ao manter o capital de giro em dia, você evita ter que pedir empréstimos caso a empresa demore a dar retorno e, ainda, garante a quantia que precisa para investir no seu crescimento.

Um cuidado importante para empresários em segmentos com a existência de estoque é não deixar o dinheiro parado em mercadorias armazenadas. Para manter as finanças da empresa saudáveis e o capital de giro em dia, é essencial manter uma rotatividade constante de produtos para não perder dinheiro com itens que perderam a validade por não ter saída.

Reservar um tempo na agenda, por mais corrida que ela seja, para cuidar dos aspectos financeiros do negócio deve ser um cuidado de todo empresário, independentemente do segmento de atuação.

Acompanhar de perto as finanças da empresa permite tomar as melhores decisões e antecipar problemas. Caso identifique que o negócio não está dando lucro, pode ser a hora de rever processos e partir para soluções como cortes de gastos.

Mesmo quem não tem conhecimento em finanças pode aprimorar o que sabe sobre o assunto por meio de cursos, palestras e workshops. Quanto mais informações você tiver sobre os aspectos financeiros de um negócio, melhores decisões operacionais você poderá tomar no dia a dia.

Evite esses erros básicos de gestão financeira e tenha a certeza de que o desempenho do seu negócio irá melhorar de forma considerável!

Você conhece algum outro erro de gestão financeira para PME? Compartilhe sua opinião nos comentários!