Aumentar a renda mensal é um desejo bastante comum. Não importa se a ideia é efetivamente reforçar o orçamento, fazer uma viagem de sonho ou até comprar algum item supérfluo — o fato é que raras são as pessoas que recusam essa ideia.

A boa notícia é que existem muitas formas de ter uma renda extra, mas, todas têm algo em comum: é preciso colocar a mão na massa. Há meios mais fáceis e alternativas mais difíceis e, felizmente, elas se adaptam às mais diferentes condições.

Um talento — como escrever, dirigir ou cuidar de animais, por exemplo — pode ser uma boa forma de ganhar dinheiro, como uma atividade que pode ser desempenhada naturalmente. Além disso, os sites que exploram a economia colaborativa, como o Uber e Airbnb, são mais uma opção para obter uma renda extra.

No post de hoje, apresentamos opções para os mais diversos perfis de indivíduos: desde os que não requerem qualquer investimento até os que precisam de um capital inicial, pesquisa e network. Boa leitura!

1. Crie um blog

Talvez esse seja um dos meios mais fáceis de ter uma renda extra, especialmente para quem gosta de escrever e, mais importante, tem algo interessante para compartilhar. É preciso, sim, investir tempo no projeto, mas se ele de fato agradar a audiência, uma parceria com o Google AdSense vai garantir renda contínua.

Isso porque o Google exibe anúncios nos blogs parceiros e paga sempre que alguém clica neles. Além disso, o pagamento é feito por uma empresa sólida e em dólar. Essa é uma das formas mais fáceis e seguras de começar um negócio on-line. Os ganhos variam conforme o sucesso do blog, mas é comum que ultrapassem os US$ 100 por dia.

2. Transporte pessoas

Uma das fontes de renda extra mais populares atualmente é o Uber. Para a categoria mais simples — a UberX — basta ter carteira de habilitação profissional, um Smartphone com iOS 7 ou Android 4.0 e um carro com quatro portas, cinco lugares e ar-condicionado fabricado a partir de 2008.

Quem se interessar pela categoria UberBlack, porém, precisa ter um carro preto, com bancos de couro, fabricado a partir de 2012. Há, ainda, especificações sobre os modelos de veículos de cada marca que são aceitos.

A empresa desconta 20% do valor que o motorista recebe no UberBlack e de 25% no UberX. Os ganhos são diretamente proporcionais às horas trabalhadas. Para ter uma ideia de quanto é possível ganhar, a ferramenta da empresa permite fazer um cálculo aproximado: trabalhando 20 horas semanais, o faturamento com o UberX atinge R$ 1.948,60 mensais.

3. Cuide de animais

Algumas plataformas já conectam donos de animais e cuidadores dispostos a hospedá-los. Uma das mais populares é a Dog Hero, que cobra 25% do valor da hospedagem. O anfitrião deve ter um canal de contato com o dono durante a hospedagem e manter a rotina de alimentação e passeio do animal.

O preço das diárias varia entre R$ 40 e R$ 80. Ou seja, quem recebe um bichinho por 15 dias por mês pode conseguir uma renda extra de R$ 600. Outra opção é o Pethub, que cobra 15% do valor do aluguel e tem diárias a partir de R$ 25.

4. Alugue objetos

O Uber não é a única plataforma que aproveita as possibilidades da economia colaborativa. A Alooga, por exemplo, conecta pessoas que precisam de algo às que estejam disposta a alugá-lo. No site, é possível encontrar câmeras, sobretudos, drones e mais uma infinidade de objetos.

Os preços são definidos pelo usuário, mas, em São Paulo, um kit do XBox, com console, Kinect e jogos, é encontrado por R$ 80 enquanto o aluguel diário de uma Nikon D5100 sai pelo mesmo preço. O site cobra taxa de 15% mais R$ 0,30 por transação.

Há outras plataformas que oferecem esse tipo de serviço, como o Rent for All. O funcionamento é semelhante, mas os modelos de negócio variam: nele, por exemplo, os anunciantes pagam assinaturas mensais e têm o primeiro anúncio gratuito.

5. Alugue sua casa, seu carro ou sua bicicleta

A chegada do Airbnb tornou esse negócio mais viável: afinal, basta ter um sofá para receber hóspedes. O preço da diária mínima definida pelo site é R$ 36. Em São Paulo, uma diária fora da alta temporada custa cerca de R$ 200 — assim, se tiver um hóspede por, pelo menos, dez dias por mês, a renda extra atinge os R$ 2000.

Seguindo o mesmo raciocínio, o Fleety permite alugar o carro para terceiros. Os valores de aluguel variam entre R$ 5 e R$ 50 a hora. O site cobra 20% sobre o preço da locação — e inclui assistência 24 h e seguro para roubo, morte, invalidez e colisões. Se considerar a hora do aluguel a R$ 30, um proprietário que alugar seu veículo por 2 h diárias nos 30 dias do mês consegue R$ 1.440 de renda.

Outra opção é alugar a bicicleta. O Spinlister permite anunciar bicicletas, pranchas e esqui para aluguel. Para bikes, o site sugere cobrar US$ 7 por hora, US$ 20 por dia e US$ 100 por semana. A taxa é de 17,5% sobre o valor da locação e garante reembolso de até US$ 10 mil para bikes. Com o valor sugerido pelo site, alugar a bicicleta durante cinco dias por semana rende US$ 400 (R$ 1.122 com a cotação de US$ 1 = R$ 3,40 e descontadas as taxas).

6. Seja goleiro

Esta é para quem faz a linha esportista e joga como goleiro: é possível encontrar equipes dispostas a pagar por sua participação em jogos de entretenimento. Quem faz a conexão entre as partes é a Goleiro de Aluguel. Dos R$ 30 pagos por partida, R$ 18 ficam com o goleiro e R$ 12 vão para o site — assim, jogar três partidas por semana rende R$ 216 no fim do mês.

7. Encontre bugs

Para quem gosta de tecnologia, sites como HackerOne, Bugcrowd e Synack, entre outros, oferecem recompensas a quem encontrar bugs em sites e sistemas. Os pagamentos começam em US$ 25 e os sites, em geral, cobram cerca de 20% de taxa.

8. Teste aplicativos e sites

Mais um para quem gosta de brincar com a inovação: o Testa Isso paga por testes de aplicativos e de usabilidade de sites. O testador recebe R$ 20 por teste realizado e não há taxas.

E aí, animado para começar a ganhar aquela renda extra? Que tal, então, compartilhar este conteúdo nas suas redes sociais para que mais pessoas possam seguir o mesmo caminho? Vamos lá!