Criar uma marca significa reunir conceitos palpáveis e intangíveis. Ela é muito mais do que apenas um nome ou uma palheta de cores, já que transmite, também, ideias e sensações. É com base na marca que as pessoas compram e, por isso, os conceitos de identidade e imagem da marca tornam-se tão relevantes.

Muitas vezes empregados como sinônimos, esses termos significam pleitos bem diferentes. Conhecer as singularidades, mas também os pontos de interseção entre aqueles conceitos, é o que vai garantir que o seu empreendimento os aproveite a favor dos resultados.

Para entender melhor, leia, a seguir, como esses termos se distinguem e aprenda como usá-los corretamente:

O que é a identidade de marca?

A identidade de marca é o correspondente a sua personalidade. Ela diz respeito a quem a empresa é, quais são os seus valores e a sua missão, e como seu empreendedor deseja que ela seja percebida dentro do mercado.

Essa é uma característica que não deve mudar ao longo do tempo e é responsável por orientar adequadamente todas as ações corporativas e de mercado. A maneira como a empresa vai se comunicar, por exemplo, tem que estar bem alinhada com essa questão, de modo que haja consistência entre o que é pensado e o que é feito.

Quando ela é representada de maneira gráfica, é conhecida como identidade visual. Trata-se da apresentação física dessa personalidade e desses valores. Para tanto, são utilizados elementos visuais, como formas e cores, para dar uma “cara” a essa individualidade.

A identificação de marca pode receber características como jovem ou sóbria, acessível ou elitizada, ética, produtiva, inovadora, clássica, e assim por diante.

O que é a sua imagem?

Já a imagem corresponde a como os diversos públicos enxergam essa mesma marca. Ela nem sempre corresponde à identidade e dificilmente será única e homogênea para todas as pessoas.

Uma loja de moda jovem, por exemplo, vai exibir uma imagem ao o público para qual ela vende, ao mesmo tempo em que terá uma diferente para quem gosta de peças mais sóbrias ou mais conceituais.

Um restaurante de fast food terá uma representação para seus frequentadores, enquanto vai encerrar outra, completamente diferente, para os adeptos de comidas orgânicas. Estes, provavelmente, tenderão a ter uma ideia mais negativa sobre o empreendimento.

A imagem satisfaz, portanto, a percepção daquela marca, o que pode ser bastante diferente se depender do grupo que a analisa.

Como identidade e imagem da marca se relacionam?

Identidade e imagem da marca, por mais diferentes que se mostrem, andam combinadas. Toda identidade vai sempre gerar, pelo menos, uma representação a respeito da corporação.

Como é ela quem vai direcionar as atitudes, a resposta por parte do público vem na forma da percepção. Da mesma maneira, uma imagem só pode ser considerada boa ou ruim se houver uma identidade por trás dela.

É essa relação que contribui para que a organização tenha sucesso. Se a individualidade e a percepção estiverem alinhadas, significa que a comunicação do negócio tem sido mais efetiva.

Como a personalidade é, geralmente, controlada, ela pode ser definida de maneira estratégica. Com ela ressoando na forma como as pessoas enxergam o empreendimento, é possível atrair mais interessados, criar uma reputação melhor e, por fim, vender mais.

Por outro lado, a falta de alinhamento faz com que os esforços da empresa sejam pouco produtivos. Se a imagem que a maior parte do público possui é de uma organização pouco sustentável ou descuidada com o cliente, isso vai se transformar em uma visão que afasta oportunidades.

Relacionar os dois elementos da maneira adequada, portanto, é fundamental se o objetivo é posicionar corretamente a organização.

Como definir cada uma de maneira adequada?

Ao mesmo tempo em que se relacionam, esses dois elementos precisam estar muito bem definidos, de maneira individual.

Tudo começa com a criação da identidade. Para tanto, deve-se considerar elementos como os valores da marca, a visão e a sua missão. Também vale a pena colocar em pauta tudo aquilo que faz o negócio ser único e gerar valor para o seu cliente.

E, por falar nisso, o público-alvo deve ser levado em conta. Uma marca jovem, por exemplo, não pode ter uma personalidade séria, da mesma forma que uma marca de luxo e mais sóbria não casa com uma presença muito descontraída.

A partir disso, deve-se pensar na imagem. Embora não seja possível controlar como as pessoas se sentem em relação à empresa, é possível alterar a percepção utilizando-se recursos de comunicação.

Se a loja de roupa tem uma visão menos positiva por parte de um segmento que busca luxo, vale a pena exibir um lado diferente da marca. Realizar ações que mostrem que as peças podem, sim, compor visuais mais arrumados é um bom caminho.

Essa tomada de decisão deve ser feita a partir da análise da percepção do público. Realizar pesquisas e estudos sobre como a marga é enxergada ajuda a determinar o que deve ser feito para contornar essa imagem.

Porém, é muito importante ter em mente que a identidade deve ser sempre reforçada – e não modificada conforme o público muda. Quanto mais forte ela for, mais fácil é chegar a uma visão que será compartilhada mais facilmente com os clientes. Então, leve isso em conta!

Isso tudo deve estar associado a uma forte comunicação. Todos os envolvidos devem compreender qual é essa expectativa de visão e de projeção para o público. Assim, são orientados para agir de forma a favorecer o jeito como o público reage.

O objetivo deve ser sempre o de conseguir alinhamento entre como a empresa deseja ser enxergada e como ela é vista, efetivamente.

Ao mesmo tempo, não use esforços demais para mudar a visão de quem não é o seu público e nem tem potencial para se transformar. Em alguns casos, a visão vai ser sempre diferente da personalidade, mas essa parcela não prejudicará o desempenho se a parte que realmente importa estiver alinhada.

Identidade e imagem da marca têm tudo a ver sobre a visão a respeito de uma determinada marca. Depois de definidas corretamente, relacione-as para conseguir gerar efeitos mais fortes e positivos para o empreendimento.

 

Como andam esses elementos em sua empresa? Faça comentários no post!